Arquivo da tag: Seis propostas para o próximo milênio

A ESPADA DO TOUREIRO

De vez em quando, releio as conferências que Italo Calvino faria em Harvard. Nunca foram apresentadas por causa da súbita morte do autor, porém deram origem ao pequeno tesouro chamado Seis Propostas para o Próximo Milênio.

Calvino pretendia abordar nas palestras seis qualidades que considerava essenciais à boa literatura: leveza, rapidez, exatidão, visibilidade, multiplicidade e consistência. Não teve tempo para escrever sobre a consistência, acometido por letal hemorragia. Uma perda lastimável.

Uma dessas qualidades me chama a atenção: a multiplicidade. Num mundo em que buracos negros, big bangs, genomas, retrovírus, pedaladas, usufrutuários, neurônios, operações de swap e hedge, off-shores, ipos, ceos e paradigmas frequentam nossas casas com a assiduidade da internet, a literatura não pode deixar de refletir sobre esses temas. Multiplicidade é sinônimo de nossa diversidade. Nunca fomos tão diversos.

A literatura retrata o tempo em que é produzida. Para melhor fixar sua época, o escritor deve mergulhar até o pescoço nas crenças, crendices e fatos que o rodeiam, deve absorver o máximo possível do espírito e da ciência em voga, deve processar tudo e tentar transmitir a outras gerações sua visão de mundo. Precisa, portanto, tornar-se especialista em generalidade. Generalista é a vocação do autor de hoje. Tem que saber de tudo um pouco – ou muito, no caso de um Umberto Eco.

Nosso tempo é único, complexo, em rápida evolução, embora enquanto seres humanos continuemos os mesmos, com as mesmas buscas e necessidades básicas: amor, comida, curiosidade, procriação, solidariedade, felicidade. Como diz Calvino, o conhecimento nasce do embate entre a exatidão e a irracionalidade. Ou melhor, entre a matemática e o caos. A ordem e a desordem.

Assuntos que só com multiplicidade o escritor consegue vislumbrar. Sem ela, fala-se de tourada sem mencionar a espada.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A INCOMPATIBILIDADE ENTRE A ARTE E A CIÊNCIA

          Não
vejo qualquer conflito entre a arte e a ciência, duas ferramentas para
interpretar o mundo. Ambas se originam em nosso cérebro, sempre ocupado a construir
modelos para tudo, das galáxias a complôs para depor presidentes. O
artista enxerga o mundo de maneira diferente do cientista, porém um e outro
avançam nossa compreensão da realidade, realidade que foge entre
nossos dedos e logo será reinterpretada ou reinventada. Equações da física saem de moda com a mesma frequência que estilos literários. Somos volúveis como nuvens.
          Trafegar com desenvoltura entre a arte
e a ciência é, para mim, um modo de aumentar a curtição da vida. Dobra-se a curtição, no mínimo. Às vezes, o resultado é maior que a soma das partes. Por isso,
prezo muito os autores com sensibilidade e, ao mesmo tempo, curiosidade
científica. Por exemplo, Italo Calvino. Ele se empolga tanto com o espaço cósmico
quanto com a neve que cai com suavidade nos Alpes. Uma prova é seu livro de
ensaios Seis Propostas para o Próximo
Milênio
, escrito pouco antes de sua morte, em 1985.
          Seis
Propostas para o Próximo Milênio
talvez seja a obra mais criativa que
deixou. Um legado da alma. Uma herança da razão. Uma obra do cérebro. Um parto das mesmas células que nos fazem astrofísico ou escritor. Nele Calvino mostra como a leveza, a rapidez, a
exatidão, a visibilidade e a multiplicidade podem aumentar nossa percepção.
Graças a essas cinco qualidades, seu texto se aproxima da precisão científica, sem perder a sensibilidade artística. 
         Calvino funde no livro os dois
hemisférios do cérebro, cada qual a interpretar a realidade sob uma ótica
diferente, jamais incompatível. Ambos, no entanto, dispostos a nos proporcionar uma ideia mais abrangente da vida. Sobretudo de sua graça e de sua beleza. A graça e a beleza que, hoje em dia, tentamos encobrir.   
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A porta geométrica da alma

        As
seis conferências que Italo Calvino faria em Harvard em 1985, por sinal nunca
apresentadas, devido à sua morte, deram origem ao pequeno livro chamado Seis Propostas para o Próximo Milênio.
Calvino abordou as seis qualidades que considerava
essenciais à boa literatura: leveza, rapidez, exatidão, visibilidade,
multiplicidade e consistência. Não chegou a escrever sobre a consistência,
acometido de letal hemorragia.
          Uma dessas qualidades me chama a
atenção: a multiplicidade. Num mundo em que buracos negros, big bangs,
genomas, retrovírus, neurônios, operações de swap e hedge, ipos e paradigmas frequentam nossas
casas com a assiduidade da internet e da telenovela, a literatura não pode
deixar de refletir sobre esses temas.
        A literatura retrata o tempo em que é
produzida. Para melhor fixar sua época, o escritor precisa mergulhar até o
pescoço nas crenças, crendices e fatos que o rodeiam, necessita absorver o máximo
possível do espírito e da ciência em voga, deve processar tudo e tentar
transmitir a outras gerações sua visão de mundo. Carece, portanto, tornar-se
especialista em generalidade, ser um generalista assumido.
         Nosso século é único, diversificado,
complexo, em rápida evolução. Embora enquanto seres humanos continuemos os
mesmos, com as mesmas buscas e necessidades básicas de todas as gerações
anteriores, o tempo foge, urge, ruge e avança. Como diz Calvino, o conhecimento
nasce do embate entre a exatidão e a irracionalidade, entre a matemática e o
caos. Exatidão, irracionalidade, matemática e caos são temas que só com
multiplicidade o escritor consegue vislumbrar. A multiplicidade é a porta
geométrica da alma. 

Palavras-chave: Calvino, Italo Calvino, Seis propostas para o próximo milênio, multiplicidade, literatura, big bang, swap, conhecimento, irracionalidade

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail