Arquivo da tag: Paris

O REI DA PICARETAGEM

Sempre que vejo falsos religiosos pregando nas tevês com a maior cara de pau, penso nos 300 e tantos picaretas do Congresso Nacional que um conhecido político certa vez afirmou existirem no Senado e na Câmara. Uns e outros são farinha do mesmo saco. Uns e outros me remetem a Tartufo, um dos mais famosos personagens de Molière, o maior dramaturgo francês.

Tartufo é, também, o nome da peça que ele protagoniza, das mais encenadas do teatro. Tartufo é fingido, hipócrita, mentiroso, corrupto, chantageador, desleal, falso religioso, interessado apenas em tirar dinheiro daqueles a quem faz as mais devotas pregações.

A peça estreou em 1664, portanto há 351 anos, e continua atualíssima. Provocou violenta reação do clero da época, ficando proibida por alguns anos. Quem a visse ou encenasse foi ameaçado de excomunhão pelo arcebispo de Paris.

Leia Tartufo para ver como a canalhice não muda através dos séculos. Depois, ligue a tevê, escute atentamente os canais religiosos com apelo financeiro, analise as técnicas de persuasão utilizadas, em seguida compare os debates no Congresso com a verdadeira atuação, nos bastidores, de deputados e senadores. O resultado é puro teatro, o teatro de Molière, a falsidade de Tartufo até a exaustão. Uma tartufada sem fim.

Acontece que Tartufo, no final da peça, é desmascarado. No Brasil, isso ainda está longe de acontecer. Nossos Tartufos continuam depositários da moralidade. A cada dia que passa, Molière estremece no túmulo por nós.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

CULTURA PRA QUÊ?

   Sonhei que estava no ano
de 2030, caminhando pelas ruas de Hong Kong. Em todos os quarteirões,
alardeadas por propaganda no rádio, televisão e em painéis luminosos, havia
lojas de três cadeias mundiais de refeições rápidas: o FrangoFarÔ, que
servia um delicioso frango com farofa, acondicionado em caixinhas de sapato
assinadas pela grife Ronaldo Fraga; o TchêÔ, rede mais sofisticada com o famoso churrasco gaúcho
desprovido de setenta por cento das gorduras; e o MineiroÔ,
campeoníssimo universal de vendas, um irresistível sanduíche de linguiça com
pão de queijo acompanhado de guaraná.
   Pedi este último numa
lanchonete, o atendente identificou meu sotaque brasileiro, indagou-me a
pronúncia correta de “mineiro”. Com muito esforço, parou de dizer “minelo”.
   Sentei-me numa das mesas,
decoradas com fotografias de Ouro Preto e, enquanto apreciava um chorinho no
som ambiente, o freguês à esquerda confessou que aderira ao fã clube do carro
Tongadamironga, o melhor do mundo depois que o equiparam com o motor Pai de Santo,
recomendado até pelos grandes terreiros da Bahia. Após muitas loas à beleza e
ao arrojo do veículo, elogiou a genialidade do brasileiro, um povo que soube
aliar os prazeres da vida ao trabalho criativo, gerando uma civilização
vibrante, digna de ser imitada pelos chineses.
   No momento seguinte, em
Manhattan, lia no New York Times
um artigo sobre a pouca originalidade da arte norte-americana quando comparada
à efervescência existente no Brasil, o polo mais inventivo no planeta. O autor
também exaltava o autêntico interesse dos brasileiros pelos próprios artistas,
sinal de que sua cultura ia de vento em popa, enquanto a norte-americana
despencava para a periferia a que fazia jus, exaurida depois de sobreviver à
custa de muita autopromoção na mídia. Por fim, vaticinou: havia um novo
Renascimento em curso, dessa vez com sabor tropical.
   No Louvre, participei de
uma rodada de capoeira com congado para comemorar a vitória da cachaça como
bebida  patrimônio da humanidade. A nota
destoante veio do mestre de cerimônias parisiense que, após depreciar o uísque
escocês, procurou resgatar o orgulho nacional com elogios rasgados aos vinhos
franceses. Para
encerrar a festa, o grupo de travestis Bois
de Boulogne entoou, para delírio dos europeus, a infalível Aquarela do Brasil. Todos caíram
no samba, tentando imitar nossa ginga, evidentemente sem sucesso. 
   Não pude voltar para
casa. Os voos estavam lotados por muitos anos, graças aos turistas atraídos
pela nossa cultura e pela boa fama do país. Eu morreria antes de embarcar, sem
ouvir o sabiá da palmeira. O sonho virou pesadelo.
                     Em desespero, acordei com o coração saindo pelos
olhos. Ao lado da cama, vi um Big Mac ensebado e um copo de Coca-Cola com uma
camada de água por cima, oriunda do gelo derretido. Diante do quadro, aturdido
pelas fantasias loucas, o desespero aumentou, porém uma luz brilhou nos miolos.
Se me haviam convencido de que Big Mac e Coca-Cola eram comida e bebida, por
que duvidaria de meu sonho?
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail