Arquivo da tag: mais vendidos

VINHO NÃO É LIVRO – OU É?

Você já largou um livro no meio? Eu já. Durante muito tempo, em respeito ao autor e ao livro, não tive coragem de abandonar uma obra, qualquer uma. Mesmo as intragáveis. Arrastava a leitura, saltava páginas, pulava para o final, mas chegava lá. Livro não lido é livro no purgatório, condenado, mas na esperança de redenção. Outro leitor pode gostar dele e colocá-lo entre seus eleitos, por que não? Assim, quando não gosto, passo o enjeitado para a frente.

Hoje não me sinto mais na obrigação de me entulhar com história idiota, linguagem primária, afronta à inteligência, chuva no molhado, autor na moda. Quero qualidade e competência. Se o livro não me seduz com a linguagem, temática, ideias, sabedoria e desenvolvimento, tchau, ponho o dito cujo de lado, sem remorso. O problema é que tenho rejeitado demais. Além do que gostaria.

Conheço um ninho de potenciais livros ruins. Chama-se “lista dos mais vendidos”. Ali também tem qualidade, é óbvio, mas o lixo costuma predominar. Quer um exemplo? Quando vi a série de vampiros crepusculares no topo dos bestsellers, com todo o respeito pelo leitor que aprecia dentada no pescoço e briga com lobisomem, concluí que faltava senso crítico a muita gente. Hoje, quando vejo Greys, zumbis escrevendo diários ou Kiera Cass de volta às pulp fictions de bancas de jornal, tremo de cima a baixo. E se a moçada começar a achar que isso significa qualidade? Já não bastam as histórias de menininha que aqui deram mais cria que coelho?

Livro é como vinho. A gente pode passar a vida inteira gostando de vinho de garrafão, tudo bem. Depois que descobrimos um Bordeaux, um Barolo ou um Carmenère dos bons, não aceitamos mais o paladar tosco do garrafão, com uma diferença: livro bom e livro ruim têm o mesmo preço. A sofisticação do gosto do leitor não custa nem um centavo a mais.

Eis o segredo que o bestseller O Segredo, colocado em meu purgatório desde sempre, nunca revelou. Assim como há diversas uvas que fazem bons vinhos, há outras que não prestam nem para o mosto. Vampiros, zumbis, proselitismo religioso e autoajuda, por exemplo. A escolha é direito seu. A boa literatura também.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail