Arquivo da tag: Hemingway

A VERDADE DAS MENTIRAS

      Ser
leitor é muito mais saboroso que ser escritor. Os livros alheios são mais de 40 milhões,
cada um nascido numa cabeça diferente, cada qual com sua própria contribuição à
cartografia do mundo e do ser humano. Em cada obra, existe um universo novo,
exclusivo. Já a gente, enquanto escritor, bem, a gente se conhece, sabe como
nossa cabeça funciona, sabe que tipo de livro produzirá. Eu, por exemplo, quando leio a primeira linha de um romance meu publicado, sei exatamente como terminará. Sou muito previsível… Daí minha preferência
pela leitura. Gosto da surpresa e do deleite que outros me proporcionam e chegam prontos à minha mão.
Gosto da variedade temática, do olhar diverso, do conflito de opinião.
            Essa paixão pelo trabalho alheio
também domina o peruano Mario Vargas Llosa. Ele adora ler. Lê muito e de tudo,
sobretudo os grandes romancistas. A prova disso está em seus ensaios a respeito
de publicações que o influenciaram como Madame
Bovary, de Flaubert. Ele admite abertamente a influência. Sem medo.
            Sua maior declaração de amor à
literatura se encontra, porém, em seu livro A
Verdade das Mentiras
, no qual examina trinta e seis de suas obras
favoritas. A paixão funde-se à erudição, perspicácia e admiração com que se
debruça sobre autores como Hemingway, Faulkner, Canetti, Orwell, Moravia,
Malraux, Tabucchi, Lampedusa, Solzhenitsyn, Fitzgerald, Conrad e Joyce, todos
comentados, comparados e criticados, demonstrando que a literatura continua
bela, viva e criativa. É a arte das artes.
            A Verdade das
Mentiras
serve, ainda, de excelente guia para o leitor se aproximar dos
grandes mestres e escolher aqueles que lhe pareçam mais atraentes e, quem sabe,
também se apaixonar por eles.

            Nessa comunhão de paixões, ao
imergir no universo da boa ficção, na fantasia que nos faz refletir sobre nós
mesmos e nossa condição humana, você compreenderá por que ser leitor é melhor
que ser escritor. Em nossa fragilidade e finitude, quando lemos, por momentos
exponenciamos nossa consciência e nos tornamos eternos. Carpe diem. A finitude é curta.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Sou mentiroso profissional

         Como todo escritor, sou mentiroso.
Dever de ofício. Quanto maior nossa competência para mentir, maior sucesso
gozamos entre os leitores. A mentira bem engendrada faz nossos personagens mais
reais, mais palpáveis, mais críveis, mais humanos. 
      Romancistas e contistas são
mais que fingidores, vamos além, inventamos vidas e mundos, trazemos alegrias e
tristezas, juntamos e separamos pessoas, matamos a rodo, criamos e resolvemos
problemas no papel. No papel, nada mais. Daí nossa alcunha: ficcionistas. Não
podemos acreditar em nossas fantasias. Muitos autores incorreram nesse erro e
se deram mal. Hemingway, por exemplo, achava que tudo se resumia à escrita e,
sem escrever, a vida não valia a pena. Deu no que deu. Tiro de espingarda na
cabeça. Cano duplo.
          Leitores também confundem ficção com
realidade, o que é, aliás, muito comum. Já me abordaram na rua para perguntar
se sou realmente como alguns personagens que criei, justamente os mais
polêmicos. Fizeram coisas mais terríveis com outros autores. Por exemplo,
influenciados por um livro chamado Os
Sofrimentos do Jovem Werther, do alemão Goethe, muitos jovens
cometeram suicídio no século 18. Goethe mentiu com tanta competência que
transmitiu para muita gente o desespero do amor não correspondido, provocando mortes em série.
          O costume dos autores afirmarem que
são mentirosos é antigo. Fernando Sabino escreveu uma bela crônica sobre isso,
na qual se confessou mentiroso compulsivo desde pequeno, daí a decisão de
derramar nas palavras sua obsessão e ainda ganhar um dinheirinho.

          Agora, cá entre nós, quem não mente de
vez em quando? De escritor, de mentiroso e de louco todo mundo tem um pouco. Ou
você é a exceção que faz a regra? Pense nisso e tenha um bom dia. Com toda
sinceridade.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A derrota que se transformou em vitória

Ao
conceder a Ernest Hemingway o Nobel de Literatura de 1954, o Comitê do prêmio
citou nominalmente o menor dos livros do escritor. Trata-se de uma obra tão
pequena que é usada para avaliar a rapidez de leitura nos cursos de leitura
dinâmica, onde os alunos avançados devoram suas noventa páginas em meros dez
minutos.
          Que livro é esse? Trata-se do polêmico
O Velho e o Mar, a epopeica captura
de um marlim com mais de cinco metros pelo cubano Santiago, nas águas do Golfo
do México. Após quase três meses sem pescar nada, Santiago se vê, sozinho, às
voltas com o fabuloso marlim que custa a dominar, para em seguida ser assaltado
por tubarões que lhe descarnam a presa, até deixar pouco mais que a espinha
dorsal do peixe. Essa espinha dorsal traria a Santiago a consagração em seu
pequeno vilarejo e, enquanto história, renderia a Hemingway extraordinária
popularidade mundo afora. Uma curiosidade: para não terminar sem peixe como
Santiago, o escritor mantinha em seu barco uma submetralhadora para afastar os
tubarões.
          Muitos críticos acharam a novela
pobre, sem rumo, assinalaram que o autor resvalava na religiosidade barata, no
monumentoso, até no plágio ou releitura de outra novela norte-americana, Moby Dick.
Outros, ao contrário, por sinal a maioria, viram em O Velho e o Mar, o toque da genialidade, a obra
que culminaria a carreira de Hemingway, inclusive garantindo-lhe o Nobel. Eu me
coloco entre os admiradores.
          O livro possui momentos de grande
inventividade, narrada no estilo simples, à primeira vista sem grandes
recursos, característico do autor de Por
Quem Os Sinos Dobram. Para tirar a teima, por que você
não avança através dessas noventa páginas de O Velho e o Mar e tira a própria
opinião? Aposto dez por um que vai gostar.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail