Arquivo da tag: Felicidade

FELICIDADE GOURMET

 

A felicidade é um prato descomplicado de fazer. É verdade que leva muitos ingredientes, pode custar caro, admite variações, às vezes demora, muita gente jura que o inventou, mas cada um de nós possui talento inato para alcançar as três estrelas do Michelin. É fácil.

Adicione sempre um pouco de desejo à receita. Sem desejo, o prato perde a atração. Preocupações exageradas põem tudo a perder. Cultura e conhecimento podem ser usados à vontade, senão não se aproveita todo o paladar. A Lua deve entrar no tempero, para o cheiro subir ao espaço. A natureza também, para se apurar o gosto da vida. Nada como polvilhar sobre o molho o canto do sabiá ou do pintassilgo, como preferir. Providência simples, que acrescenta doçura. Poesia também entra no preparo. Substitui o sal, quando vem das entranhas.

A base, no entanto, continua você mesmo, suas escolhas, suas preferências. Você decide o que usar e, ao servir-se, será o supremo juiz. Chame os amigos e os parentes para ajudá-lo na cozinha. Eles realçam as delícias da sua receita.

Importante: não se esqueça do ponto. Retire do fogo na hora certa. Tem gente que esperou tanto o prato ficar pronto que morreu antes. Com fome.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A mulher que confundiu um papagaio com o Espírito Santo

            Gustave Flaubert, o grande escritor
francês, morreu aos cinquenta e nove anos, em 1880. Sempre que o releio,
impressiona-me a atualidade de sua escrita, embora treze décadas e meia tenham
decorrido desde sua morte. Sem falar na qualidade do texto. Pouco envelheceu.
            Além do genial romance Madame Bovary, entre outras obras,
Flaubert nos deixou uma pequena novela, na qual transborda seu talento e
criatividade. Em apenas setenta páginas, constrói uma obra-prima chamada Um Coração Singelo. Narra a vida de
Felicidade, empregada na casa da senhora Aubain durante meio século.
            Felicidade é simplória, pau para
toda obra, da cozinha ao jardim à babá. Mora num pequeno cômodo, mal iluminado, com aspecto oscilante entre uma capela e um bazar. Toma para si as dores da
família com a qual trabalha, põe em segundo plano as dores da própria família,
exceto talvez a perda do sobrinho Vítor, que a explorava a pedido da irmã e do
cunhado. Como grande tesouro no fim da vida, Felicidade ganha o papagaio Lulu que,
depois de morto, é empalhado e enfeita seu quarto, onde adquire ares de
Espírito Santo na mente religiosa e senil da empregada.
            A recriação de uma vida tão singela,
com detalhes realistas de personagens e ambientes, pontuados por fina ironia
que beira o sarcasmo, transforma Um
Coração Singelo
numa das mais belas novelas do século 19.
            Em pleno século 21, Felicidade ainda
existe. Ela é tristonha, sem brilho. Se olhar a seu redor, você a identificará
em diversas pessoas que vivem e morrem para lhe garantir um bom dia. E, em busca de um mínimo sinal de esperança na vida, ainda enxergam o Espírito Santo em qualquer papagaio que lhe apresentem como tal.       

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail