Arquivo da tag: desafio

MANGA COM LEITE MATA

 

Conheci apenas uma avó, a materna, e a visitava nas férias, sobretudo em janeiro, por coincidência no auge da safra de mangas. Em sua fazenda, havia um pomar que sumia de vista aos meus olhos de menino. Apesar de tanta fruta, ela me proibia manga com leite. Misturar os dois era tiro e queda, podia encomendar o caixão. Vovó tinha visto centenas de imprudentes irem para a cova após a ingestão do coquetel fatal.

Para que a manga não fizesse mal, depois do café da manhã com leite vindo direto do curral, eu deveria esperar pelo menos três horas. Três horas. Espera torturante para um menino. Ao sair para o quintal, eu enxergava as mangas madurinhas, morria de vontade de chupar algumas, mas não podia. Com medo de desobediência, ela me controlava de longe e de perto: “só depois das 11 da manhã, viu, Luís?” Eu retrucava: “posso comer mangada, então, vó?” Mangada ela permitia. Minha cabeça não entendia: mangada pode, manga não? Por quê? Não é tudo a mesma coisa?

Comecei a desconfiar daquela proibição. Devia ser crendice da vovó. Resolvi comprovar, fazer o supremo teste. Depois de um bom copo de leite, fui escondido para o pomar, peguei a fruta mais bonita, bem no alto, chupei-a até o caroço ficar branquinho. Quando terminei, bateu o desespero. E se…?

Senti o estômago embrulhar, o coração acelerou, fiquei tonto. O suor escorreu pela testa. Tive certeza: estava morrendo. Quase saí gritando por socorro. No entanto, resisti. Se eu queria provar que a vovó estava errada, precisava aguentar firme. Terrível espera. Estive a ponto de desistir várias vezes, antes que caísse duro. As horas passaram, sobrevivi. Hoje adoro manga com leite.

Fico imaginando se, mudando o conteúdo e o contexto, não tenho dito a meus netos que manga com leite mata. Preconceito a gente adquire sem perceber. E transmite. Sei que, por mais que fique atento, alguma tolice transmitirei. A gente é manipulado o tempo todo, acaba acreditando em mentira. Por exemplo, que no Brasil não existe político honesto. Existe, sim. Juro. Por isso, torço para que meus netos tenham a coragem de me contestar, nem que seja pelo mero exercício da contestação. Que enfrentem as mangas com leite que, sem perceber, eu cultivo. Só assim obterão um país honesto.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

TRAVESSIA DOS ANDES: DESAFIO NA NEVE

           Imagine uma cordilheira dentro de
outra, mãe e filhote. Imagine o filhote com dezenas de picos nevados a mais de
cinco ou seis mil metros de altitude, agrupados num perímetro de apenas 165
quilômetros. Isso existe? Sim, existe. Existe no meio dos Andes peruanos, está
separada do maciço central, tem características próprias e se chama Huayhuash. Atravessá-la
é um desafio radical. Num único dia, saí de uma densa mata de quenuales a três
mil e quinhentos metros de altitude, cheguei à neve a cinco mil e dormi a
quatro mil, na puna andina. Encontrei por lá gente de trinta países, nenhum
brasileiro. Ainda não descobrimos o lugar.
          Huayhuash é uma aventura que marca não
apenas pela beleza, também pela diversidade de clima, de relevo, de plantas e
animais, pelos lagos cristalinos, pelo estrondo das avalanchas, pelo silêncio
da noite, pela pureza do ar, pelo vento que arrasta e congela. Nem pense em ir,
se você gosta de conforto. Barraca é o único hotel. Estrelas, o triplo das que
vemos em nossas cidades, são o cobertor.
          Huaywash tem o som, em inglês, de “why
wash?” ou “por que se lavar?”. Ao percorrer suas trilhas, em média doze dias,
é difícil tomar banho. Os riachos que descem das geleiras não nos convidam para
mergulhos. De tão frios, trazem risco de hipotermia. Na única fonte termal que
encontrei, ao pé de um vulcão, tive a companhia de uma nevasca que me roubou a
coragem de sair do poço. Punha a cara fora da água, o cabelo congelava, e eu mergulhava
de volta no quentinho.
          Belas montanhas com nomes sonoros e
estranhos compõem a paisagem, brancas de doer ao sol: Yerupajá, Jirishanca,
Ninashanca e Siula. O Siula, aliás, foi palco da façanha relatada no livro “Tocando
o vazio”, prova da enorme capacidade de resistência do ser humano.
          Huaywash, de tão remota e selvagem,
foi esconderijo do Sendero Luminoso, o famoso grupo guerrilheiro peruano.
Sendero Luminoso, ou Caminho Luminoso, seria um nome apropriado para a
cordilheira. Ali se veem todas as possíveis nuanças de luz, sobretudo aquela
que, lá no alto dos cumes, onde o ar rarefeito embevece o cérebro, parece
brotar de dentro da gente e iluminar o presente, o passado e o futuro,
revelando a imensa curtição de estar neste mundo. À luz de Huayhuash, a vida
pulsa através de todos os tempos num único momento. Um eterno momento. Quem
resiste a lugar desses?
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail