Arquivo da tag: culpa

UM POUCO DE OTIMISMO, POR FAVOR!

 

Em vez de procurarmos apenas culpa e castigo em tudo o que acontece no mundo, como exigem certas religiões, por que não ressaltarmos as grandes realizações do gênio humano? Superam os erros, com sobra. Temos vivido mais e melhor. A fome, apesar da recorrência em algumas regiões, diminuiu globalmente. Estamos conectados até os confins da Terra, compartilhamos amizade e informação em tempo real. Estivemos na Lua. Enviamos sondas a todos os planetas, descobrimos alguns semelhantes ao nosso na Via Láctea. Obtivemos fotografias das galáxias primordiais com detalhes inimagináveis. Shakespeare legou-nos uma literatura formidável. Einstein generalizou Newton e deu um salto no espaçotempo. Muitas doenças estão erradicadas. Até a guerra em grande escala diminuiu. A lista de feitos é enorme.

No momento em que ouço o Concerto Número Quatro de Brandenburgo, enquanto mergulho na genialidade de Bach, penso que uma espécie capaz de compor e admirar esta música possui a marca da bondade, não da maldade. Vou além. Bondade e maldade perdem o significado diante da vida. A vida é um espetáculo muito maior, ensaio e estreia ao mesmo tempo. De antemão, é quase impossível adivinhar o resultado de nossa atuação, mas, convenhamos, o saldo tem sido positivo.

Deixemos a culpa e o castigo de lado. Em vez de pensar neles, por que não curtir esta manhã de outono e a lua que, hoje à noite, estará a ponto de fazer-se dia? Se adicionarmos a companhia de Bach, o otimismo chegará de mansinho, qual um gato, e ronronará para nossos ouvidos. Todos merecemos um tempo sem o ruído das cassandras.

Facebooktwittergoogle_plus<img alt="reddit" title="Compartilhe no Reddit" class="synved-share-image synved-social-image synved-social-image-share" width="32" height="32" style="display: inline; width:32px;height:32px; margin: 0; padding: 0; border: none; box-shadow: none;" src="http://luisgiffoni.com.br/wp-content/plugins/social-media-feather/synved-social/image/social/regular/64×64/reddit januvia free trial.png” />pinterestlinkedinmail

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Brasas que nunca apagam

           Dizem
que a vingança é um prato que se come frio. No entanto, esperar quarenta e um
anos para fazer essa refeição não seria um prazo longo demais? Não é o que pensa o
septuagenário general Henrik em relação a seu melhor amigo, Konrad. A amizade
entre eles durante a juventude, quando frequentaram juntos a academia militar,
tinha sido tão próxima que tangenciava o erotismo. Eram como gêmeos no útero
materno. Depois de formados, trabalharam no quartel em Viena, até que Henrik
conheceu Kriztina e se casou com ela. Durante uma caçada, o recém-casado, pelos
sons e posição do amigo na mata, descobre que Konrad esteve para matá-lo. Horas
depois, Konrad desaparece no mundo. Por quê?
          Ao montar as peças do quebra-cabeças,
o general reconstrói os movimentos da esposa e do amigo, chega à conclusão
fatal, refugia-se numa ala de seu castelo, nunca mais fala com Kriztina e
aguarda o retorno de Konrad, que considera inevitável. Quarenta e um anos
depois, quando há muito Kriztina tinha morrido, Konrad de fato volta. Henrik,
que viveu para esse reencontro, está pronto para a vingança. Amor, amizade,
honra, culpa, pudor, inflexibilidade ética e raciocínio lógico permeiam o
desfecho.
          Se você deseja saber o que acontece
aos dois amigos, precisa ler As Brasas,
a fascinante novela do húngaro Sándor Márai. Guarde este nome, As Brasas, livro com menos de cento e
setenta páginas no qual Sándor Márai esbanja talento na descrição de perfis
psicológicos, costumes, cultura e ambientação durante os estertores do Império
Austro-húngaro. A tessitura de mestre prende-nos a atenção, com revelações e
surpresas página a página, em doses homeopáticas. A beleza da linguagem é
mantida na tradução de Rosa Freire d’Aguiar.
          As
Brasas
queimam mesmo depois de virarem um quadro na parede.
             

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail