Arquivo da tag: amizade

MOMENTO DA SAUDADE

O rapaz entrou no pré­­­dio em passadas de bêbado, tropeçou no pequeno degrau da portaria, quase caiu. Falava muito, a voz se arrastava, o corpo exalava cerveja e cachaça, os cabelos pareciam sujos de talco misturado com ketchup. A julgar pelos sinais, a farra tinha sido boa. Contou-me que voltava da comemoração do último dia de aula. Ele nem acreditava que não havia mais re­­posição nem provas, apenas a formatura o aguardava, após cinco anos de faculdade de engenharia. Já alugara o capelo e o modelito de formando com a capa de Batman, traje agora exigido na cerimônia. As fotografias oficiais estavam prontas. Os convites, distribuídos. Em sua camiseta, coberta de desenhos e bocas de batom, três palavras escritas com esferográfica me chamaram a atenção: “Amigos para Sempre”. Abaixo, uma dúzia de assinaturas.

O rapaz ainda não se deu conta, mas o término das aulas é a semente de uma grande saudade. Todo novembro e dezembro, época em que as despedidas e formaturas se concentram, novas turmas iniciam a rotina de trabalho e de saudade. Cada pessoa toma seu rumo, com frequência longe de Belo Horizonte. Com o passar do tempo, talvez devido ao aumento das responsabilidades que a vida impõe, talvez pelo avanço da idade, o espírito irreverente do jovem se vai, e entram em campo a sisudez, a reserva, o ar de decano. Claro, há quem não se deixe dominar tão cedo pelo peso do compromisso, mas a maioria acaba cedendo. Então surge a nostalgia. O profissional se lembra dos anos de faculdade, recorda o espírito livre, leve e solto do último dia de aula, e a saudade chega. O tempo não poupa nem a mais elevada autoestima.

As reuniões de turma são um remédio eficaz, porém de curta duração, para essa saudade. Nem bem os colegas se reencontram, trocam abraços, tateiam assuntos, reconhecem-se, avançam. Dali a minutos, o antigo clima de camaradagem desponta, os anos se apagam, a conversa rola, a memória se instala, triunfante: baixam as lembranças, baixam os casos e causos, baixa a juventude que escapou em ritmo de Usain Bolt. Os amigos se ancoram no passado, em episódios que jamais mu­­­darão, em histórias que, ano após ano, serão repetidas à exaustão, sobretudo as mais engraçadas. Elas serão o referencial permanente, o graal revisitado. Livres da formalidade, alguns dos presentes ao encontro ensaiam um retorno no tempo: viram adolescentes. Os mais circunspectos, mais idosos do que merecem, os repreendem. Os outros riem. Aqui e ali, despontam os desgarrados: o economista que virou cineasta, o dentista que se tornou fazendeiro, o médico que explora hotel.

O ciclo da vida continua. Logo após a breve revisita, todos se vão. Levam dentro da mente o garoto que, bêbado, tinha três palavras na camiseta: “Amigos para Sempre”.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

AS CARTAS NÃO SÃO JURÁSSICAS

                                                                       Para Caio Riter
Admiro as cartas longas, sem rumo,
esparramadas, igual conversa de botequim. Admiro a capacidade de transformar o
assunto mais corriqueiro em arte e fazer a vida saltar para dentro das
palavras. Crônicas para uma só pessoa.

Sou uma lástima com as cartas. Por mais
que me esforce, não sei escrevê-las. Além da falta de talento, fico telegráfico
nas observações, consequência talvez dos emails, um vício. Minhas frases
rangem como um edifício prestes a desmoronar, depois de empilhadas fora de
ordem e de prumo. As idéias com frequência se superpõem, patinam, derrapam, sem saber para onde seguir. Repito-me na falta de assunto.

Considero as verdadeiras cartas
entidades misteriosas. Vestem as mais diversas roupagens. Ora parecem monólogos
endereçados aos outros ou diálogos de loucos consigo mesmos, ora almas que se
autopsicografam, ora corações transplantados para os miolos ou confissões de
seres que nos habitam quando a vigília cochila. Veículos de prazer, dor,
amizade e intercâmbio, abordam desde a declaração de amor até o lamento do
suicida. Possuem o perfume genuíno de nossa humanidade.

Hoje nos dedicamos pouco às cartas,
porque talvez demandem paciência e reflexão, dois bens escassos. Falta, também,
quem nos escute com atenção. Vivemos sob o signo da pressa, à qual o telefone e
o computador atendem tão bem. Afastamo-nos de nós mesmos e dos outros quando
nos imaginamos mais próximos. Próximos dos corpos, distantes do coração.
Revolver profundezas saiu de moda.

Por esse motivo, um amigo que cultiva
as cartas se julga jurássico. Escreve-as “para se dar conta de nós, do mundo,
dos sentimentos e sensações que se vão dentro de nós, empurrando-nos para a
frente… e comungam de uma mesma vontade de encher o mundo de boas
perplexidades”. De tão inspirados, seus textos me parecem estar por aí desde sempre,
aguardando quem os captasse. Sua caneta é a antena de recepção.

 Invejo-lhe a capacidade de imergir na condição
humana através da trivialidade, de falar da alma com a leveza de quem brinca
com um dominó de palavras. Cartas não são jurássicas, tampouco seus cultores
têm a ver com dinossauros. Elas sobreviverão ao cometa da pressa e das
mensagens curtas, escaparão à cratera da insensibilidade. Porque nos conduzem,
pelas trilhas de nossa humanidade, ao horizonte de nós mesmos.

                                                                                 

Facebooktwittergoogle_plusreddit<img alt="pinterest" title="Coloque um pin no Pinterest" class="synved-share-image synved-social-image synved-social-image-share" width="32" height="32" style="display: inline; width:32px;height:32px; margin: 0; padding: 0; border: none; box-shadow: none;" src="http://luisgiffoni.com.br/wp-content/plugins/social-media-feather/synved-social/image/social/regular/64×64/pinterest see page.png” />linkedinmail

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

A rodada de pôquer que evitou uma guerra

Eu passava as férias num hotel em
Puyehué, no Sul do Chile, na divisa com a Argentina. Tempo de ditaduras na América Latina. Tempo
de tortura, disputa e arrogância. Num fim de tarde, a situação degringolou. De
um lado e outro, os generais ameaçaram invadir e aniquilar os vizinhos. Ocupado
com passeios com a família, eu ignorava que havia uma guerra iminente entre o
Chile e a Argentina. Ao descobrir, estremeci, temendo virar picadinho, junto
com os filhos. O gerente do hotel, para me tranquilizar e afastar qualquer
possibilidade de perigo, convidou-me para um jogo de pôquer secreto, numa
cabana perdida nas encostas dos Andes. Só descobriria quem eram os dois outros parceiros
na hora do jogo. Ressabiado, aceitei.
O gerente e eu viajamos numa estrada de
terra, quase atolando a cada dez metros. Após uma hora no meio da floresta, uma subida sem fim, chegamos à cabana. Nem bem nos assentamos ao redor de uma
mesa feita com tronco de pinheiro, entra Carlos. Apresenta-se: é o comandante
das forças armadas chilenas na região. Traz várias garrafas de Old Parr e Coca-Cola. Diz que o uísque fora confiscado de contrabandistas de fronteira e
deveria ter sido enviado para Pinochet, mas, ele não entendia como, várias
caixas tinham ficado para trás, e precisávamos consumi-las antes que perdessem
a validade. Além disso, detestava Pinochet. Rindo muito, pediu minha ajuda para
esvaziar a primeira garrafa. Imbuído de nobre espírito de latinidad, concordei. Carlos apreciava a bebida misturada ao
refrigerante, meio a meio, um desperdício. A pecaminosa combinação tinha nome: chipe,
ou algo parecido.
Ao final da terceira dose, escuto
roncos de tanque de guerra. Começo da invasão? Delírio etílico? Nada disso. Num
blindado leve, chega o misterioso companheiro que faltava. Pois não é que o
dito cujo era justamente o comandante das forças argentinas? Os dois homens
que, de acordo com os jornais e a boataria, deveriam trocar tiros e bombas no
dia seguinte, passariam a noite jogando pôquer e bebendo uísque juntos. Tornaram-se
amigos depois de apresentados por Fernando, o gerente do hotel, em sua festa de
aniversário. A amizade, entretanto, não podia se tornar pública, senão lhes
comprometeria a carreira nas forças armadas, ainda mais diante do clima de tensão existente entre
Santiago e Buenos Aires. Daí tanto segredo, daí a preferência por estranhos,
sobretudo estrangeiros, para completar o quarteto de blefadores.
Jogamos até a madrugada, enquanto nos divertíamos com piadas e casos de nossos três países. Levantamos os copos a cada gargalhada.
Juanito, o militar argentino, morreu de rir quando lhe contei que seus
compatriotas, para suicidar, pulam do alto de seus egos. 
Ajudados pela mediação escocesa, reviramos
nossa latinidad, nosso caldo cultural
com idênticos temperos, nossas raízes comuns, nossos mesmos tiques, nossas
visões sobre a vida que, no fundo, coincidiam.
A guerra entre o Chile e a Argentina
jamais aconteceu. Perdeu o ímpeto, pois os dois protagonistas se uniam numa
mesa de pôquer, regada a uísque confiscado.
Para mim a Rodada de Puyehué teve gosto
especial: ganhei dos três.          

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Autoajuda para quem quer viver muito

      De
vez em quando eu me flagro com preconceito literário. Por exemplo, rejeito
escritores que nunca li. Típico “não li e não gostei”. Descubro que alguém fez
minha cabeça, portanto fui induzido, manipulado. Para tirar a teima, saio em
busca do autor preterido, vasculho seus livros, chego à minha própria
conclusão.
          A iniciativa me rendeu gratas
surpresas. Quanta gente boa eu renegava por cisma, por ignorância, por ouvir
dizer. Um desses autores era Marco Túlio Cícero, escritor, advogado, orador,
político e filósofo da Roma antiga, que nasceu mais de cem anos antes de
Cristo. Pois eu achava que Cícero fosse apenas uma aula de latinório
descartável, paixão de beletrista, expoente de conhecimento ultrapassado. Pois
me enganei. O homem é bom, bom mesmo. Continua atual. Escreve com clareza,
concisão e verve, reflete sobre questões relevantes como a amizade e a velhice,
domina a sabedoria de seu tempo (até do nosso), tem uma língua ferina, catilinária, quando
decide criticar.
       Tomemos, por exemplo, seu livro Saber Envelhecer. Quem nunca ficará
velho? Quem nunca se indagará a respeito da morte? Quem abraçou os prazeres da
vida nunca se verá obrigado a renunciar a vários deles? A outra opção para quem não deseja envelhecer não é muito prazenteira.

          Cícero,
sozinho, vale por uma centena de livros de autoajuda. Aliás, muitos autores de
autoajuda bebem em Cícero e não lhe dão o devido crédito. Reciclam, com grande
perda de conteúdo, o que o mestre romano escreveu há tantos séculos.
Aproveitam-se da desinformação e do preconceito contra o antigo. Miram pessoas
que acham que o mundo nasceu ontem. Contra o preconceito, nada como o contato
direto. Beba direto na fonte, tire suas próprias conclusões. Como fez Cícero,
seja seu próprio juiz. E colha bem o seu dia.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail