PASSARÃO E PASSARINHOS

 

A diversidade (de raças, de crenças, de costumes, de culturas, de adaptação) é a grande responsável pelo êxito humano, êxito que nos deixa orgulhosos até nos autoproclamarmos ápice da evolução, os pontos alfa ou ômega, topo da cadeia alimentar e títulos afins. Essa mania de grandeza vem de longe, de milênios atrás, como atesta o filósofo Protágoras, para quem o ser humano é a medida de todas as coisas. Conheço um mineiro que se julga Napoleão. Todos afirmam que ele sofre de sérios distúrbios mentais. Não haveria essa mania de grandeza contaminado o Homo sapiens desde Protágoras, embora nos consideremos normais? Cadê o hospital psiquiátrico para a internação geral da nossa espécie?

Dois bem-te-vis me provocaram essas reflexões. Construíram o ninho no poste em frente à minha janela, estão criando os filhotes, cantam satisfeitos da madrugada ao anoitecer e, até onde percebo, não filosofam, não poluem, não sofrem no trânsito, não frequentam psicanalistas, não fazem declarações de renda, não matam para conquistar territórios, não praticam atos terroristas, não bombardeiam inocentes, apesar do nome que lhes demos na classificação ornitológica: tiranídeos. Estamos precisando de tiranos assim. Por que ninguém se julga bem-te-vi, em vez de Napoleão? Que eu saiba, apenas o poeta Mario Quintana se julgou passarinho. E nos faz voar em seus versos:

 

Todos esses que aí estão

Atravancando o meu caminho,

Eles passarão…

Eu passarinho.

 

 

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *