Luís Giffoni

giffoni

Luís Giffoni (nome completo: Luís Ângelo da Silva Giffoni), nasceu em Baependi, Minas Gerais, em 1949, onde cursou as quatro primeiras séries do ensino básico. Continuou sua formação em Belo Horizonte, para onde veio em 1960, até se graduar em 1972 em engenharia civil pela UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Também cursou astronomia na UFMG e literatura norte-americana no ICBEU-BH – Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos. Tem 21 livros publicados, entre romances, contos, crônicas, ensaios e novelas juvenis. Essas obras receberam diversas premiações, além de estudos, traduções e adaptações no Brasil e no exterior. Sua peça In Memoriam foi encenada pelo Oficinão do Grupo Galpão, em 2004. É palestrante em todo o Brasil, bem como nos Estados Unidos e Europa. Mora em Belo Horizonte. Tem 3 filhos.

Entre suas obras estão

  • A Jaula Inquieta, livro de contos, Ed. Scipione, 1988, ISBN 85-262-1413-6.
  • Os Pássaros são Eternos, novela juvenil, Ed. Formato, 1989, ISBN 978-85-7208-597-7.
  • O Ovo de Ádax, romance, Ed. José Olympio, 1991, ISBN 85-03-00423.
  • Tinta de Sangue, romance, Ed. Pulsar, 1998, ISBN 85-900742-1-8.
  • A Árvore dos Ossos, romance, Ed. Pulsar, 1999, ISBN 85-900742-2-6.
  • Adágio para o Silêncio, romance, Ed. Pulsar, 2000, ISBN 85-900742-3-4.
  • A Verdade Tem Olhos Verdes, romance, Ed Pulsar, 2001, ISBN 85-900742-4-2.
  • Infinito em Pó, romance, Ed. Pulsar, 2004, ISBN 85-900742-9-3.
  • China – O Despertar do Dragão, ensaio, Ed Leitura, 2007, ISBN 97885358764-7.
  • Retalhos do Mundo, crônicas de viagem, Ed. Leitura, 2008, ISBN 857358-824-8.
  • O Pastor das Sombras, romance, Ed. Pulsar, 2009, 85-98763-04-0.
  • O Fascínio do Nada, crônica/ensaio, Ed. Pulsar, 2010, ISBN 978-85-98763-05-7.

Premiações

Recebeu, entre outras, premiações da APCA- Associação Paulista de Críticos de Arte (1999), Prêmio Jabuti de Romance (2002), Bienal Nestlé de Literatura (1988), Prêmio Minas de Cultura – Prêmio Henriqueta Lisboa (1988), Prêmio Nacional de Romance Cidade de Belo Horizonte (1994), Prêmio Nacional de Contos Cidade de Belo Horizonte (1995), Melhor Livro do Júri Infantil da FNLIJ – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (1990).

Comentários sobre as obras

“Densa e intensa verdade humana.”
Jornal O Globo
“Not to be missed, Adágio para o Silêncio has a dramatic impact all its own, raising the modern Brazilian narrative to new heights of talent and promise”
World Literature Today
” Luís Giffoni é o regente de um adágio que combina a solidez da Mantiqueira e o seu oposto,um mundo que se move de maneira veloz, o novo reabsorvendo o antigo”.
Jornal do Brasil
“Giffoni constrói um mundo onde a luta pela sobrevivência – do corpo e do espírito – e a exploração do novo definem, de forma trágica, aqueles que são senhores de seu destino.”
Marcelo Gleiser
“Infinito em Pó, uma ficção científica que, enquanto especula sobre as soluções tecnológicas do futuro, aponta para os paradoxos do presente”.
Pablo Pires – O Tempo
“Um dos principais ficcionistas da cena brasileira contemporânea, Giffoni, ao tentar desvendar as engrenagens súbitas que formam o ser humano, constrói um romance polifônico e hábil, fruto de peculiares inteligência e sagacidade.”
Alécio Cunha – Hoje em Dia
“A escrita de Luís Giffoni capta com destreza o submundo do colarinho branco, numa narrativa que prende o leitor.”
Letícia Malard – O Globo
“Em Infinito em Pó o leitor também se desloca, em tempo, espaço e consciência. Ainda que o corpo permaneça no século XXI, a mente caminha para anos em que tudo será possível”.
Janaína Cunha Melo – Estado de Minas
“Por que ler Infinito em Pó: Com toques de ficção científica, a narrativa busca refletir sobre a sobrevivência do mundo material e do espírito”.
Folha de S.Paulo
“Num relato tão poético quanto perturbador, Giffoni aborda a difícil relação do homem consigo mesmo, seu tempo, seu mundo e seu destino, e faz uma competente e sensível crítica dos valores na sociedade contemporânea.”
Ronaldo Cagiano – Correio Braziliense
“Postmodern, brilliant, somber tales with strong literary echoes (Kafka, Lispector, Shakespeare, and Marlowe)”.
Handbook of Latin American Studies, Library of Congress, Estados Unidos
“An entertaining prose to reflect on contemporary culture”
Handbook of Latin American Studies, Library of Congress, Estados Unidos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *